sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Tão seu

Eu sinto sua falta
Não posso esperar tanto tempo assim
O nosso amor é novo
É o velho amor ainda e sempre

Não diga que não vem me ver
De noite eu quero descansar
Ir ao cinema com você
Um filme à toa no pathé

Que culpa a gente tem de ser feliz?
Que culpa a gente tem, meu bem?
O mundo bem diante do nariz
Feliz aqui e não além...


Me sinto só, me sinto só
Eu me sinto tão seu...
Me sinto tão, me sinto só
E sou teu
Me sinto só, me sinto só
Eu me sinto tão seu
Me sinto tão, me sinto só
E sou teu

Eu faço tanta coisa
Pensando no momento de te ver
A minha casa sem você é triste
A espera arde sem me aquecer

Não diga que você não volta
Eu não vou conseguir dormir
À noite eu quero descansar
Sair à toa por aí...


Me sinto só, me sinto só
Eu me sinto tão seu...
Me sinto tão, me sinto só
E sou teu
Me sinto só, me sinto só
Eu me sinto tão seu
Me sinto tão, me sinto só
E sou teu

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Saber

"Cada pedaço de mim sabe o inferno que é ser sol em noites de chuva, ser cor nos cinzas dos edifícios, ser luz na escuridão das manhãs. Cada todo de ti sabe a delícia que é ser flor nas asas do vento, ser cristal nos olhos das fadas, ser azul no fundo do mar.

Cada suspiro de nós sabe a angústia que é ser só um na multidão dos dias, ser muito na pobreza da esquina, ser ninguém na roda da vida. Enquanto isso os relógios se vão, e vêem aqueles que sabem o que é apenas ser na ausência do nada".

Clarice Lispector

domingo, 23 de janeiro de 2011

Nas tuas Mãos

Eu não sei porque você se esconde
Quando eu mais preciso dos teus olhos
Se você não me olhar de frente
Não consigo te amar sem medo
Eu às vezes penso que é melhor
Dar um tempo e te deixar distante
Se você se apaixonar por alguém
Que seja mesmo o fim

Me leva agora pro teu melhor lugar
Esqueça de tudo ao menos uma vez
Me beija agora, estou nas tuas mãos
Estou nas tuas mãos

sábado, 22 de janeiro de 2011

Veneno




Você me faz mal
Eu entendi isso claramente
Não vejo como algo bom pode vir amando você
A minha morte deve ser sua missão
Porque com cada abraço e beijo
Você rouba cada pedaço de força
Que vou precisar pra lutar contra o inevitável
E é uma situação de partir o coração
Eu estou nela, mas não posso controlar

Você é como veneno
Entrando devagar no meu sistema
Com o tempo acabando com todas as minhas defesas
Você é como veneno
E eu não entendo
Como algo tão mortal pode me fazer tão bem?
Não sei bem o que fazer
É uma armadilha
Porque a cura é encontrada em você
Eu não quero mas eu aceito
Você é como veneno
Minha aflição, estou viciada, não posso mentir
Me beije mais uma vez antes que eu morra

Você não é certo, me deixa alta,
E então lá no alto, tudo cai
E meu corpo é derrotado
Então você vem para me reviver.
Espere, espere, estou viva,
Mas por quanto tempo?
Tudo isso vai vir derrubando?
De quantas doses eu preciso agora?
Qual é o prognóstico? Você estará por perto?
Ou eu sou só outra vitima
De um assasino que matou meu coraçao?

Você é como veneno
Entrando devagar no meu sistema
Com o tempo acabando com todas as minhas defesas
Você é como veneno
E eu não entendo
Como algo tão mortal pode me fazer tão bem?
Não sei bem o que fazer
É uma armadilha
Porque a cura é encontrada em você
Eu não quero mas eu aceito
Você é como veneno
Minha aflição, estou viciada, não posso mentir
Me beije mais uma vez antes que eu morra

Não é apenas o meu corpo
É a minha mente
Você não sabe quantas vezes
Eu disse a mim mesma "isso não pode ser"?
E que eu não preciso de você (não, eu não preciso de você)
É tão injusto (injusto) que eu me encontre novamente a seus cuidados (cuidados)
E o que é bom é que quando você não está sempre aqui
Você não é bom para a minha saúde

Você é como veneno

Demais amor....


Vem cá, preciso te falar
Pare um pouco para respirar
Me dê a chance de saber
Que eu ainda sei ficar sozinho
Tá bom, confesso que gostei
Do mundo que você sonhou pra nós
A dose foi maior
Preciso equilibrar
Tente não me sufocar
Amor demais

Amor demais
Pode acabar, pode curar
Amor demais

Você quer brindar sozinha
Você faz chover lá fora
Você perde o sol da hora
Você quer fazer amor comigo

Vem cá, preciso te dizer
Pense agora apenas em você
Demais, amor,
Você foi sempre tão legal pra mim
Eu sei, eu nunca reclamei
Por isso você pode me culpar
A dose foi maior
Preciso equilibrar
Tente não me sufocar
amor demais

Amor demais
Pode acabar, pode curar
Amor demais.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Velhos Sinais

Eu te mostro todos aqueles velhos sinais
Eu te deixo as portas abertas
Eu aposto só no que a Verdade nos traz
E no bem que ela desperta
Eu não vou dizer mentiras pra te conquistar
Eu não vou dizer bobagens pra te impressionar
Até imagino aquilo que você quer ouvir
Mas não vou dizer nada
Só basta você sentir


Saiba ouvir seu coração
E deixe seus medos pra trás
Vai fluindo a emoção
E o tempo que vai te mostrar

Como é grande o peso das barreiras morais
Tentam te dizer o que é certo
Desvendar o mundo e ver o Céu por detrás
Ele só está encoberto
Eu não vou dizer mentiras pra te conquistar
Eu não vou dizer bobagens pra te impressionar
Até imagino aquilo que você quer ouvir
Mas não vou dizer nada
Só basta você sentir

Qual é a voz
Que vai dizer
O que é bom pra mim
O que é bom pra você?

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Desapego




"Só podemos perder o que não temos
Na última semana, terminei de ler um livro que um amigo muito querido me presenteou. Falava de auto-descoberta, auto-conhecimento – tratava de temas complexos sobre o expandir da consciência, ampliar o olhar sobre si mesmo – tudo banhado de espiritualidade e conceitos da psicologia. Enfim, dentre os inúmeros temas que pude revisitar ao ler esse livro, um em especial me chamou a atenção: a morte. Nesse capítulo o autor deixava claro um ponto que quero compartilhar com você: a questão da perda.

É verdade que toda perda é um processo dolorido, sofrido. Um processo que nos faz pensar e repensar, refletir sobre nossas vidas, nosso tempo, a forma como aproveitamos ou não esse milagre que é viver e se relacionar, estabelecer relações. Tudo isso faz sentido se ampliarmos o conceito da morte e compreendermos que morremos todos os dias e, renascemos todo amanhecer. A morte nada mais é que o fim de um ciclo e início de outro.

Desapego
E, se morremos, ou melhor, perdemos algo de um lado, de outro ganhamos com certeza. Morrer, romper, terminar, deixar – tudo isso demanda desapego, amor próprio, demanda o aceitar, confiar e agradecer o que recebemos. Um alento é saber reconhecer que só perdemos o que não temos. Explico: só perdemos o que não é nosso, não nos pertence, não agrega, não soma, não nos faz melhor.

Vou tentar clarear… Se só perdemos o que não temos – tudo o que temos levamos conosco. Sensações, emoções, sentimentos – tudo o mais é transitório. Isto é, se alguém próximo se foi, podemos sempre ficar com o que construímos. Com o que vivemos e experimentamos juntos. É de fato só isso o que temos – bons ou maus momentos.

Talvez por isso muitos afirmem que a felicidade é uma soma de bons momentos… Ser feliz é estar mais feliz do que triste no tempo que temos para administrar nessa passagem. O quanto antes conseguirmos entender que a vida é uma passagem, viver se tornará muito mais possível além de mais prazeroso, mais delicado.

Então, exercitar o desapego, o soltar as amarras e travas que nos distanciam do que temos de melhor – nós mesmos – ficará muito mais fácil. Saber o que temos é, por isso, parte do nosso crescimento. Do nosso auto-conhecimento, nossa auto-descoberta. E, para tanto, precisamos passar a olhar com os olhos da verdade, da beleza, da ética, do amor… No mais, tudo vai dar certo.

Máscaras
A questão é que, por vezes, temos tanto medo de olhar a nossa verdade que utilizamos diferentes artimanhas para nos afastar desse nosso centro. Vivemos assim com base no medo de sermos descobertos; na ilusão de que vamos conseguir enganar a todos, inclusive a nós mesmos e, nesse sentido, inflamos nosso ego, praticamos a vaidade, nos apegamos a uma imagem ou imagens que não podem ou jamais serão nossas.

Por isso sofremos. Sofremos nas nossas relações, na nossa existência. Afinal, bem no nosso íntimo sabemos que a máscara que tanto lustramos um dica cairá. E então vamos de uma única vez nos deparar com tudo o que fizemos para tentar tapar o sol com a peneira – a nossa alma, nossa essência – com os véus… Desiludimo-nos, perdemos o outro, perdemos a relação…

Em função de tudo isso fica aqui um convite: faça uma auditoria pessoal. Tente compreender o que é de fato seu e o que não é. Depois de tudo visto, liberte-se. A relação com certeza agradecerá… O outro e o seu ser também."


Por Sandra Maia

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Meu amor maior

Toda vez que vou escrever algo pessoal, vindo de meus próprios pensamentos eu começo com a frase: "Tenho pensado muito ultimamente em...(...)"

Mas hoje devo começar com: "tenho sentido muito ultimamente..."
Pensar é algo que fazemos mais de 12 horas por dia. Eu por exemplo ando sim, pensando MUITO ultimamente.
Só que mais que pensar, refletir, explorar meus pensamentos, eu tenho sentido muito.

Sentido muitas variações do amor, da saudade, do pertencimento.

Se eu pudesse expressar a falta que tu me faz, a saudade que sinto de ti e principalmente o imenso amor que descobri ter por você.....talvez, só talvez, eu conseguisse suportar melhor todas essas mudanças.



Eu sei que um dia eu voltarei pra ti, pra poder estar contigo, andar nas praças, sentir o cheiro das ruas, com tuas primaveras floridas e teu jeitinho acolhedor.

Já escrevi tanto sobre isso, já falei tanto do meu amor por ti que não tenho muito mais a dizer.

Não posso reclamar das minhas escolhas, por eu estar longe de ti, longe do meu apartamento, da minha vida, não, não posso.
Definitivamente não.
Mas posso ter saudade, sentir tua falta e desejar voltar.
Isso eu posso e faço.
Todos os dias.

Nunca imaginei encontrar meu lugar no mundo.
Encontrar meu pertencimento.
Mas achei em você tudo e um pouco mais.
E como já disse tantas vezes aqui nesse blog, esse amor só tem crescido cada vez mais.

Tento suportar tua falta, a falta das tuas ruas, da tua cultura e do teu povo.
A falta do clima acolhedor, e do clima de quatro estações em um só dia.
A falta da tua gastronomia e da tua boêmia.

Ah, Porto Alegre...
Como dói estar tão longe de ti....



Mas eu sei que um dia estarei junto de ti, voltarei pra vc, como um filho que se foi cedo demais.
Cada dia que passa tenho mais certeza da minha ligação contigo e mesmo que eu tivesse imaginado que seria difícil nos primeiros meses, pensava que o tempo ajeitaria tudo, daria um certo distanciamento de sobrevivência.

Mas não é assim. O tempo só faz crescer meu sentimento e a certeza da tua falta.
Mas deixa estar.
Sei que esse momento meu, de estar aqui, é necessário. Vou tirar o melhor proveito disso até o momento que o destino nos unir novamente.

Eu amo PORTO ALEGRE.
A cidade que eu escolhi pra viver e que eu sei, me escolheu também.
Meu amor maior.





PARA RELEMBRAR:
http://simplesmentelela.blogspot.com/2010/09/o-adeus-mais-dificil.html

domingo, 16 de janeiro de 2011

Pensamentos soltos.....

...E toda vez que você me nota
Me abraçando apertado. e dizendo coisas doces
Eu não acredito que você
Estaria sendo sincero e falando a verdade
Meus pés estão livres e eu estou partindo
Eu não vou ficar aqui me sentindo sozinha, mas
Eu não me arrependo e eu não acho que isso
Foi só uma perda de tempo...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Azul sem fim....

Ah se eu pudesse voltar
E novamente escrever
A minha história no ar
Pudesse me refazer

Não posso desanimar
Há muito que aprender
Não que eu só queira ganhar
Mas já cansei de perder

Penso em você, em teu olhar
Penso em fugir, em te levar
Sonho pra nunca acordar

Eu nunca fui de acreditar
Mas me perdi ao te encontrar
Amor que veio pra ficar

Vou confessar, que era eu
Aquele azul sem fim, que você mergulhou
Me disfarcei de mar
Pra ganhar seu amor

domingo, 9 de janeiro de 2011

sábado, 8 de janeiro de 2011

É muito melhor....



De longe eu sinto o vento me dizendo
que eu ja posso mergulhar em outro amor
a liberdade manifesta o desapego
de peito aberto vou buscar um novo altar
eu jogo fora agora todos os segredos
um novo dia pra deixar o que passou
olhar pra frente na balada desses versos
acreditar que o nosso mundo melhorou

esqueça o que passou ja tenho um novo amor
lembranças do que marcou eu guardo em uma flor

É muito melhor para nós dois deixar o tempo andar
e se precisar me procurar
Deus é quem vai marcar

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Bandeira Branca

Esses dias na praia eu sai pra caminhar e vi você lá sentado, olhando para o mar, o mar da "nossa" praia e conversando distraidamente com um amigo.
Como sempre tremi na base, virei geléia, mas tudo bem.
Passei reto, com meu MP3 no ouvido, escutando atentamente as músicas que eu selecionei. Na volta, fiquei na dúvida e foi então que começou a tocar aleatoriamente essa canção.
Eu quase não pude acreditar na coincidência do meu coração que ao ouvir essa canção entendeu exatamente o que fazer, pensar ou mesmo sentir.
Por isso, nada mais justo que tudo faça sentido agora, pra mim e pro meu próprio passado.
Temos que assumir certas coisas e deixar passar certas situações.
Tenho certeza que isso sempre existirá, mas fizemos escolhas. Tu fizeste e eu respeito. Eu fiz e sigo em frente,para que eu possa viver ou tentar fazê-lo com o mínimo de ansiedade e dor possível.

Você pode achar exagerado, mas estou certa que essa canção enfim, traduz meus sentimentos e canta aquilo que preciso pra compreender nossa eterna situação mal resolvida....




Eu sei que você pensa que eu não deveria te amar mais
Ou te dizer isso.
Mas se eu não dissesse, bem eu ainda sentiria
Onde está o sentido nisso?

Eu prometo que não estou tentando dificultar sua vida
Ou retornar pra onde estávamos

Mas eu vou afundar com este navio
E eu não vou colocar minhas mãos pra cima e me render
Não haverá bandeira branca em cima da minha porta
Estou apaixonada e sempre estarei

Eu sei que deixei muita confusão e destruição
Pra voltar novamente
E eu não causo nada além de problemas
Eu entendo se você não consegue falar comigo de novo
E se você vive pelas regras do "Acabou"
Então estou certa de que isso faz sentido

Mas eu vou afundar com este navio
E eu não vou colocar minhas mãos pra cima e me render
Não haverá bandeira branca em cima da minha porta
Estou apaixonada e sempre estarei

E quando nos encontrarmos,
o que estou certa de que vamos
Tudo que aconteceu naquele momento
Ainda irá existir
Eu deixarei passar
E ficarei calada
E você irá pensar
Que eu parti pra outra

Eu vou afundar com este navio
E eu não vou colocar minhas mãos pra cima e me render
Não haverá bandeira branca em cima da minha porta
Estou apaixonado e sempre estarei